Idéias para um meio ambiente limpo
 

„Oxidação Catalítica
 de gases de exaustão em um sistema de tratamento de emissões atmosférica“

Catálise de Exaustão

Plantas de Oxidação Catalítica tornam possíveis a remediação de áreas contaminadas que foram abandonadas com poluentes ou áreas cuja remediação era inviável economicamente. Em locais onde o solo está contaminado com cloreto de vinila, as plantas de incineração catalítica são a única forma viável de eliminar os poluentes.

Em primeiro lugar, o gás bruto é pré-aquecido por um recuperador (ar-ar-permutador de calor) e, em seguida, aquecido eletricamente ou com um queimador de gás para a temperatura necessária de reação. Na unidade subsequente, o reator catalítico, os poluentes são oxidados. Os hidrocarbonetos clorados são convertidos em água, e dióxido de carbono em ácido clorídrico.

As reações são exotérmicas, isto é, liberaram calor. A energia é novamente introduzida no processo e utilizada para aquecer o gás bruto.

Dependendo dos poluentes a serem removidos, as plantas de incineração catalítica podem ser operadas de forma autotérmica, sem o fornecimento de energia, se a concentração de poluentes excederem de 3 a 5 g por m³ de gás bruto.

Um receio frequentemente manifestado, mas que pode ser invalidado na utilização de incineradores catalíticos, é que através das reações pode haver formação de dioxinas na conversão de compostos clorados. Por meio de medições, confirmou-se que, com temperaturas de reação típicas e na escolha do catalisador adequado, não há formação de dioxinas.

A nossa experiência com a operação dos sistemas catalíticos de exaustão mostram que se tratam de sistemas altamente confiáveis e eficientes.

Poluentes

  • Benzeno, Tolueno, Xileno e substâncias similares (BTEX)
  • Hidrocarbonetos Clorados, especialmente cloreto de vinila
  • Hidrocarbonetos Fluorados

» PDF-Version